[ 14/12/2018 ]
Venda de veículos pode crescer até 12% e...

[ 14/12/2018 ]
Toyota produzirá veículo híbrido flex em...

[ 14/12/2018 ]
Mecanização tem novo avanço na agricultu...

[ 14/12/2018 ]
Secretário do Tesouro critica postura de...

[ 14/12/2018 ]
OMC condena cinco de sete programas de i...

[ 14/12/2018 ]
Fux revoga sua própria decisão e multas ...

[ 14/12/2018 ]
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% ...

[ 14/12/2018 ]
Indústria automotiva do Sul Fluminense c...

[ 14/12/2018 ]
Ford Ranger Storm: versão com visual de ...

[ 14/12/2018 ]
Petroleira apoiou plano de Trump de carr...

[ 13/12/2018 ]
Montadoras pedem benefícios fiscais para...

[ 13/12/2018 ]
Siemens cria área com foco no setor auto...

[ 13/12/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus amplia pro...

[ 13/12/2018 ]
Sindipeças fecha contratos coletivos de ...

[ 13/12/2018 ]
Projeto da Mercedes-Benz de educação no ...

[ 13/12/2018 ]
Família poderá entrar em imóvel de Ghosn...

[ 13/12/2018 ]
Renault pede que Nissan não contate seus...

[ 13/12/2018 ]
Transportes são responsáveis por 25% das...

[ 13/12/2018 ]
Grupo VIP adquire 50 ônibus Mercedes-Ben...

[ 12/12/2018 ]
Temer sanciona Rota 2030 com veto a bene...




 

Data: 11/7/2018

BYD vende mais 57 ônibus 100% elétricos na Europa
 
A BYD continua a ampliar sua presença no mercado de ônibus europeu.

A gigante global especializada em energia limpa acaba de fechar dois grandes negócios na Europa: a venda de uma grande frota de ônibus articulados 100% elétricos para Oslo, capital da Noruega, e 15 ônibus 100% elétricos BYD de 12 metros para a Espanha, a maior deste modelo para o país.

Noruega

Os dois pedidos dos ônibus articulados elétricos para Oslo foram feitos pela Nobina, a primeira operadora europeia a adquirir os “ebus” de 18 metros produzidos pela BYD na China. A BYD já possui dois ônibus articulados 100% elétricos funcionando na capital norueguesa desde dezembro de 2017, que são os primeiros articulados elétricos da Noruega. Agora a Nobina fez um pedido de mais 42 unidades.

Os 42 articulados 100% elétricos, equipados com carregamento por pantógrafo, estão programados para entrega no segundo trimestre de 2019 e irão compor uma frota de 44 veículos no total. Em comunicado a BYD acredita que esta seja a maior frota articulada elétrica da Escandinávia.

Os novos “ebus” servirão rotas na área de Oslo e, em particular, no leste da capital, e estão substituindo uma frota atual de veículos a diesel.

Jan Volsdal, Diretor Administrativo da Nobina, afirmou que nos próximos dez anos “Oslo está planejando administrar um sistema de transporte público de emissão zero”. O executivo afirmou que, juntamente com a BYD, a Nobina dá uma grande contribuição para tornar este plano realidade. “Temos boas experiências com os dois ônibus articulados da BYD que estão em operação há seis meses em Oslo, inclusive nos desafiadores meses de inverno, e temos confiança de que o desempenho da nova frota atenderá às nossas expectativas”, concluiu.

Para Isbrand Ho, diretor Administrativo da BYD Europe, a Nobina, ao escolher novamente a BYD para executar suas rotas em Oslo, vai demonstrar a eficácia dos ônibus 100% elétricos de 18 metros da BYD na prestação de um serviço intensivo e de alta capacidade. “Oferecemos várias soluções de tarifação para nossos clientes, como o carregamento por pantógrafo, para atender às suas necessidades em milhagens operacionais”, afirmou o executivo.

Espanha

Em abril deste ano a gigante global especializada em energia limpa já havia assinado com a TUSGSAL, operadora de transporte público da Catalunha, um contrato para a entrega de oito ônibus de 12 metros, 100% elétricos, para Badalona, província de Barcelona. A entrega dos veículos está prevista para o início de 2019.

Agora a BYD anuncia a venda de 15 ônibus do mesmo modelo, que entrarão em operação na cidade de Badajoz no ano que vem. Eles foram encomendados pela TUBASA, uma operadora de transporte público pertencente ao Grupo Ruiz, um dos principais grupos de transportes rodoviários de passageiros da Espanha.

A Tubasa é a atual concessionária dos ônibus urbanos em Badajoz, contrato que segue até o ano de 2037. A operadora conseguiu prorrogar a concessão por dez anos, com o objetivo de financiar a renovação da frota e as novas linhas da cidade.

Os ônibus 100% elétricos serão equipados com baterias de fosfato de ferro de última geração da BYD, sistema de gerenciamento térmico e potentes eixos traseiros.

Para Isbrand Ho, Diretor Administrativo da BYD Europe, o potencial da fabricante no mercado ibérico está crescendo rapidamente, “com pedidos consecutivos da Espanha e de Portugal”, disse.

“Até agora, confirmamos a entrega de 32 ônibus 100% elétricos aos dois países até o verão de 2019, e temos confiança de que haverá mais por vir. Estamos satisfeitos com o fato de essas cidades já terem escolhido ônibus que não emitem poluentes, contribuindo com a qualidade do ar”, completou o executivo.

Este é o terceiro pedido espanhol para a BYD. Em 2017 a empresa venceu concorrência para entrega de um ônibus elétrico de 12 metros para a operadora de ônibus EMT, em Valência.

O ônibus, que entrou em operação em 2018, inicialmente será usado em todas as linhas operadas pela EMT na cidade. Com seus mais de 200 km de autonomia, a expectativa da operadora é de que em alguns anos a maioria da frota de ônibus urbanos seja composta por veículos 100% eléctricos.

Os veículos elétricos da BYD estão presentes em mais de 200 cidades do mundo. A empresa, especializada em energia limpa, está no mercado desde 1995. Desde 2015, a empresa vem sendo considerada a maior fabricante de automóveis elétricos e híbridos plug-in do mundo.

Em 2016, a BYD ganhou o prêmio Zero Emission Eco system da ONU, na categoria grandes corporações.

No Brasil, a BYD abriu sua primeira fábrica em 2015 para produção de ônibus elétricos e comercialização de veículos e empilhadeiras em Campinas, interior de São Paulo. Em abril de 2017, neste mesmo local, inaugurou sua planta de produção de módulos fotovoltaicos. A empresa já emprega cerca de 460 funcionários nas cidades de Campinas e São Paulo.

Fonte : Diário do Transporte/Alexandre Pelegi