[ 20/2/2019 ]
Ford fecha fábrica de São Bernardo do Ca...

[ 20/2/2019 ]
Volkswagen lança T-Cross e anuncia retor...

[ 20/2/2019 ]
Balança comercial tem superávit de US$ 2...

[ 20/2/2019 ]
Governo de São Paulo lança plano para ap...

[ 20/2/2019 ]
Participação do consórcio nas vendas de ...

[ 20/2/2019 ]
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC manife...

[ 20/2/2019 ]
Ford Fiesta sai de linha este ano; fábri...

[ 20/2/2019 ]
Renault registra SUV cupê Arkana no Bras...

[ 20/2/2019 ]
BMW Group Brasil planeja ofensiva de pro...

[ 20/2/2019 ]
Novo T-Cross é mais caro que os rivais...

[ 19/2/2019 ]
Iveco ampliará rede de atendimento no Pa...

[ 19/2/2019 ]
Paccar apurou resultados recordes em 201...

[ 19/2/2019 ]
Economia perde ritmo e deve ter desempen...

[ 19/2/2019 ]
Investimentos em transportes avançam nos...

[ 19/2/2019 ]
Sem impostos, Cruze é mais barato aqui d...

[ 19/2/2019 ]
Fiat Mobi recebe pacote de personalizaçã...

[ 19/2/2019 ]
Daimler Trucks atinge recorde com veícul...

[ 19/2/2019 ]
Vendas de veículos na China recuam pelo ...

[ 19/2/2019 ]
Produtores de biodiesel defendem qualida...

[ 18/2/2019 ]
VWCO domina vendas de caminhões médios...




 

Data: 12/7/2018

Renault duplicará produção do elétrico Zoe na Europa
 
A Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi está, indiscutivelmente, entre os conglomerados automotivos globais que mais se esforçam para saltar à frente na eletrificação de seus produtos. Enquanto, por razões óbvias, na Ásia essa atribuição fica claramente a cargo da Nissan, na Europa é a Renault que está à frente do processo.

Não de hoje a montadora francesa vem investindo em tecnologias, projetos e, sobretudo, produtos que possam pavimentar esse caminho ao pódio mundial do segmento. Um dos veículos mais importantes nesse sentido é o pequeno Zoe, o Renault elétrico mais fabricado até hoje. E, tudo indica, seguirá nessa condição por um bom tempo.

Isso porque a Renault pretende, como assegura o site Automotive News Europe, dobrar a produção do hatch na fábrica de Flins. Localizada nos arredores de Paris, a planta tem 66 anos, é a unidade industrial mais antiga da Renault e base produtiva do Renault Clio e Nissan Micra, modelos que compartilham base e linha de montagem com o Zoe.

O plano da Renault, informa a publicação, é elevar o ritmo em Flins de 220 unidades diárias do Zoe para 440 veículos. A Renault também já trabalha em uma segunda geração do modelo, lançado no segundo semestre de 2012.

Desde que o hatch começou a ser vendido em vários mercados europeus, já saíram da linha de montagem mais de 100 mil unidades, algo como um terço desse total somente no ano passado.

O Zoe foi o carro elétrico mais vendido na Europa entre 2015 e 2017. No ano passado, liderou o segmento com mais de 30,6 mil unidades negociadas, equivalentes a 10,6% de participação de todos os elétricos e híbridos negociados. O segundo lugar ficou com outro produto do grupo, o Nissan Leaf, que deteve 6% das vendas, 17,4 mil unidades.

Para dobrar a capacidade produtiva de Flins, a Renault aproveitará o tradicional período de férias europeias, em agosto, para promover algumas mudanças, em especial na área de montagem das baterias.

O aumento na produção de Zoe em Flins implicará na transferência de quase toda a produção do Clio para outras unidades industriais da Renault na Europa. A quinta geração do modelo deve estar nas ruas até o início do ano que vem.

Revelado no ano passado, o plano estratégico da empresa conhecido como Drive the Future prevê o lançamento de até oito veículos elétricos até 2022. Alguns sobre nova plataforma da Aliança, batizada de CMF-EV, que serão produzidos na planta de Douai, no Norte da França.

Ou seja, muitas novidades elétricas serão reveladas nos próximos dois anos.

Fonte : AutoIndústria