[ 8/3/2019 ]
Governo cobra da Ford solução para fábri...

[ 8/3/2019 ]
Foton inaugura nova revenda em São Paulo...

[ 8/3/2019 ]
Venda de importados cai 3% em fevereiro...

[ 8/3/2019 ]
Em São Bernardo, trabalhadores da Ford f...

[ 8/3/2019 ]
Caminhões e ônibus lideram venda de veíc...

[ 8/3/2019 ]
Roberto Cortes tem audiência com o gover...

[ 8/3/2019 ]
Volvo vai limitar carros a 180 km/h a pa...

[ 8/3/2019 ]
Chevrolet Cruze deixa de ser fabricado n...

[ 8/3/2019 ]
Toyota anuncia aposentadoria de Steve St...

[ 8/3/2019 ]
BYD Europa fornecerá 30 ônibus elétricos...

[ 7/3/2019 ]
Trabalhadores da Ford convocam protesto ...

[ 7/3/2019 ]
Vendas de caminhões avança 66% em fevere...

[ 7/3/2019 ]
Mercado de veículos usados segue em alta...

[ 7/3/2019 ]
Mercado reduz expectativa de crescimento...

[ 7/3/2019 ]
Conceito de Indústria 4.0 chega à linha ...

[ 7/3/2019 ]
Programa de inclusão social de Resende g...

[ 7/3/2019 ]
Volvo FH540 assume liderança das vendas ...

[ 7/3/2019 ]
Etios despenca nas vendas com chegada do...

[ 7/3/2019 ]
Bugatti lança o carro mais caro da histó...

[ 7/3/2019 ]
Quem é Carlos Ghosn, executivo brasileir...




 

Data: 20/7/2018

Indústria de autopeças reduz ritmo de crescimento
 
Apesar do péssimo desempenho de maio, decorrente da greve dos caminhoneiros que afetou a economia em geral, a indústria de autopeças mantém crescimento de dois dígitos no acumulado do ano. No comparativo dos primeiros cinco meses deste ano em relação ao mesmo período de 2017, o setor contabiliza aumento de 18,1% no faturamento nominal.

Os dados, divulgados na quinta-feira, 19, pelo Sindipeças, indicam uma desaceleração no ritmo de expansão dos negócios das autopeças, visto que no acumulado até abril a alta era de 26,2. A receita do setor, segundo a entidade, foi altamente afetada pela greve dos caminhoneiros na última semana de maio.

“Por conta da paralisação do transporte rodoviário, foram registradas várias interrupções nas atividades fabris, o que acabou provocando recuo de 4 pontos porcentuais no nível de utilização da capacidade”, informa o Sindipeças em seu relatório de pesquisa conjuntural, destacando que a ociosidade, que estava em 30% em abril, subiu para 34% no mês seguinte.

A respeito de novas contratações, houve incremento de quase 9% frente a maio do ano passado, o que espelha o aquecimento que vinha sendo observado no setor até abril. É provável, segundo a entidade, que esfriem as admissões nos próximos meses.

Com relação a maio, o Sindipeças explica que “comparando-se ao que vinha sendo observado até abril, o faturamento do setor sofreu intensa e atípica redução”. As variações para todos os canais de vendas de autopeças foram negativas em dois dígitos, gerando queda no faturamento total de 19,2% no comparativo de maio com abril.

Para as montadoras, a receita nominal dos fabricantes de autopeças encolheu 20,9%. A queda foi de 13,1% no mercado de reposição e de 15,8% nos negócios intrassetoriais.

A greve dos caminhoneiros, segundo o Sindipeças, afetou também as exportações, que já vinham sendo prejudicadas pela crise na Argentina. O faturamento decorrente das vendas externas caiu 24,2% em dólares e 19,1% em reais.

Fonte : AutoIndústria