[ 18/1/2019 ]
Kroschu integra Consórcio Modular da Vol...

[ 18/1/2019 ]
Sprinter é o comercial leve mais vendido...

[ 18/1/2019 ]
Marcas de luxo têm desempenho abaixo da ...

[ 18/1/2019 ]
Setor de aço prevê crescimento com maior...

[ 18/1/2019 ]
Atividade de transporte mostra desaceler...

[ 18/1/2019 ]
Financiamentos de pesados cresceram 26% ...

[ 18/1/2019 ]
PSA tem recorde mundial de vendas...

[ 18/1/2019 ]
UFSC de Joinville pode criar instituto f...

[ 18/1/2019 ]
Com setor automotivo otimista, é hora de...

[ 18/1/2019 ]
Carlos Ghosn ficará preso ao menos até m...

[ 17/1/2019 ]
Jeep mantém liderança no mercado de SUVs...

[ 17/1/2019 ]
Chassi de ônibus OF 1721 da Mercedes-Ben...

[ 17/1/2019 ]
"Países da UE se preparam para um possív...

[ 17/1/2019 ]
Bridgestone reforça presença no Sul...

[ 17/1/2019 ]
Duas décadas de estrada...

[ 17/1/2019 ]
Cummins intensifica ações na área social...

[ 17/1/2019 ]
Daimler Trucks investe em caminhões autô...

[ 17/1/2019 ]
Ford anuncia veículos com tecnologia C-V...

[ 17/1/2019 ]
Mudança no BMW Group Serviços Financeiro...

[ 17/1/2019 ]
HERE Technologies lança índice sobre mob...




 

Data: 9/8/2018

Guerra comercial produz sua primeira vítima: o setor automotivo
 
No dia 30 de julho, o fabricante de automóveis BMW anunciou aumento de 4% e 7% do preço para dois modelos de SUV produzidos nos EUA e exportados para a China, devido à alta do custo da produção. A origem deste ato é óbvia: desde a aplicação da sobretaxa do governo Trump aos produtos de diversos países, o custo de aquisição de peças pela BMW sofreu reajuste.

Além disso, a China passou a sobretaxar em 25% os automóveis importados dos EUA a partir do dia 6 de julho. Isso resultará em uma queda de percentuais dos automóveis produzidos nos EUA no mercado chinês.

Desde o início da guerra comercial, analistas avaliaram que automóveis e eletrodomésticos serão os primeiros a sentir os efeitos, por causa do alto nível de globalização da cadeia produtiva desses itens. A sobretaxa aos produtos de aço e alumínio por Washington trouxe contramedidas dos diversos países, afetando grandes montadoras, como GM, Ford e BMW.

O fabricante alemão estabeleceu em Spartanburg, nos Estados Unidos, sua maior fábrica do mundo, contratando 9 mil funcionários locais e se tornando o maior exportador de carros dos EUA. Entre os produtos desta fábrica, 70% são exportados, sendo 25% à China.

Entretanto, o mercado chinês, o maior mercado automobilístico nos últimos nove anos consecutivos, nunca será abandonado pelas montadoras. A BMW alertou que, caso prossiga a guerra comercial, será inevitável reduzir a produção e demitir funcionários nos EUA.

Em vez de trazer de volta os postos de trabalho, Donald Trump está reduzindo as oportunidades de emprego. Segundo o jornal Financial Times, a guerra comercial provocará uma tempestade no setor automobilístico. E a chave para impedir a tempestade está na mão da Casa Branca.

Fonte : CRI Published