[ 20/11/2018 ]
Brasileiro, presidente do grupo Renault-...

[ 20/11/2018 ]
Financiamento de veículos novos e usados...

[ 20/11/2018 ]
Mercado de ônibus usados recua 4,35% no ...

[ 20/11/2018 ]
Regime automotivo Rota 2030 ainda depend...

[ 20/11/2018 ]
Mercado financeiro reduz expectativa de ...

[ 20/11/2018 ]
Litro da gasolina supera os R$ 7 em post...

[ 20/11/2018 ]
Emissão de carteira de motorista no Bras...

[ 20/11/2018 ]
O Opala completa 50 anos ...

[ 20/11/2018 ]
Mercado automotivo da China caminha para...

[ 20/11/2018 ]
Luta da China contra poluição torna palá...

[ 19/11/2018 ]
Montadoras iniciam teste de serviço de c...

[ 19/11/2018 ]
Setor automotivo foi o que mais recebeu ...

[ 19/11/2018 ]
Governo de São Paulo autoriza montadoras...

[ 19/11/2018 ]
Mercosul e União Europeia não superam im...

[ 19/11/2018 ]
Com guerra comercial, exportação brasile...

[ 19/11/2018 ]
Imposto de importação aumenta custos de ...

[ 19/11/2018 ]
Vendas de máquinas agrícolas registram a...

[ 19/11/2018 ]
Renault comemora 20 anos de fabricação d...

[ 19/11/2018 ]
JAC lança T50 e anuncia importação de pi...

[ 19/11/2018 ]
Mercedes-Benz tem 56% do mercado de ônib...




 

Data: 9/8/2018

Guerra comercial produz sua primeira vítima: o setor automotivo
 
No dia 30 de julho, o fabricante de automóveis BMW anunciou aumento de 4% e 7% do preço para dois modelos de SUV produzidos nos EUA e exportados para a China, devido à alta do custo da produção. A origem deste ato é óbvia: desde a aplicação da sobretaxa do governo Trump aos produtos de diversos países, o custo de aquisição de peças pela BMW sofreu reajuste.

Além disso, a China passou a sobretaxar em 25% os automóveis importados dos EUA a partir do dia 6 de julho. Isso resultará em uma queda de percentuais dos automóveis produzidos nos EUA no mercado chinês.

Desde o início da guerra comercial, analistas avaliaram que automóveis e eletrodomésticos serão os primeiros a sentir os efeitos, por causa do alto nível de globalização da cadeia produtiva desses itens. A sobretaxa aos produtos de aço e alumínio por Washington trouxe contramedidas dos diversos países, afetando grandes montadoras, como GM, Ford e BMW.

O fabricante alemão estabeleceu em Spartanburg, nos Estados Unidos, sua maior fábrica do mundo, contratando 9 mil funcionários locais e se tornando o maior exportador de carros dos EUA. Entre os produtos desta fábrica, 70% são exportados, sendo 25% à China.

Entretanto, o mercado chinês, o maior mercado automobilístico nos últimos nove anos consecutivos, nunca será abandonado pelas montadoras. A BMW alertou que, caso prossiga a guerra comercial, será inevitável reduzir a produção e demitir funcionários nos EUA.

Em vez de trazer de volta os postos de trabalho, Donald Trump está reduzindo as oportunidades de emprego. Segundo o jornal Financial Times, a guerra comercial provocará uma tempestade no setor automobilístico. E a chave para impedir a tempestade está na mão da Casa Branca.

Fonte : CRI Published