[ 10/12/2018 ]
Crédito deve impulsionar vendas de veícu...

[ 10/12/2018 ]
Contratação de crédito rural do Plano Sa...

[ 10/12/2018 ]
Dependência maior do mercado interno...

[ 10/12/2018 ]
Inflação fica negativa em 0,21% em novem...

[ 10/12/2018 ]
70% das empresas tentam escapar da alta ...

[ 10/12/2018 ]
Concessionário da Jaguar Land Rover mais...

[ 10/12/2018 ]
Chatbot vendeu C4 Cactus no Brasil...

[ 10/12/2018 ]
Volkswagen Voyage é o carro que mais dep...

[ 10/12/2018 ]
Iveco Hi-Road, o irmão menor do Hi-Way...

[ 10/12/2018 ]
O Volkswagen Logus, a Ferrari Dino e os ...

[ 7/12/2018 ]
Anfavea prevê crescimento de dois dígito...

[ 7/12/2018 ]
Argentina frustra estimativa de produção...

[ 7/12/2018 ]
Demanda por máquinas agrícolas e rodoviá...

[ 7/12/2018 ]
Para Anfavea, montadoras terão de arcar ...

[ 7/12/2018 ]
Brasileiro não está disposto a trabalhar...

[ 7/12/2018 ]
Até novembro, mais de 2,7 milhões de veí...

[ 7/12/2018 ]
2018, o ano em que a indústria retomou o...

[ 7/12/2018 ]
Fábrica da Goodyear em Americana complet...

[ 7/12/2018 ]
Iveco lança o caminhão pesado Hi-Road...

[ 7/12/2018 ]
Como a indústria automobilística brasile...




 

Data: 10/8/2018

Déficit das autopeças cresce 21,7% no ano
 
Após registrar queda de faturamento em maio sobre abril por causa da greve dos caminhoneiros, a indústria de autopeças retomou o ritmo de crescimento em junho, com dados positivos em vendas internas e exportações. O único dado negativo é o aumento do déficit da balança comercial, que passou de US$ 2,65 bilhões no primeiro semestre de 2017 para US$ 3,2 bilhões no acumulados dos primeiros seis meses deste ano, um crescimento de 21,7%.

É que as importações no período cresceram mais do que as exportações – respectivamente, 17,1% e 13,6% - conforme relatório do balanço comercial publicada pelo Sindipeças em seu site. Foram importados US$ 7,1 bilhões em autopeças este ano, ante os US$ 6 bilhões de idêntico período do ano passado, e exportados US$ 3,87 bilhões, contra US$ 3,41 bilhões.

O aumento das importações, segundo avalia o Sindipeças, reflete o aquecimento do mercado interno de veículos. No acumulado do ano até junho, o faturamento líquido nominal das autopeças brasileiras teve avanço de 19,9% no comparativo interanual.

Em junho, particularmente, o crescimento da receita foi de 32,75% em relação maio. Com isso, o nível de capacidade instalada voltou a subir, de 66% para 70%. E as exportações também continuaram exibindo ritmo interessante, de acordo com a pesquisa conjuntural do Sindipeças, ao registrar alta de 28,4% em reais no acumulado até junho.

“Câmbio e exposição em novos mercados são alguns dos fatores que permitem compreender esse fenômeno”, avalia o Sindipeças em seu relatório sobre o desempenho de junho e do primeiro semestre do ano.

A despeito da crise interna do país vizinho, a Argentina continua sendo o principal destino das autopeças brasileiras, com 29,9% de participação no total. A China, por sua vez, segue como o país de maior expressão na aquisição de autopeças por empresas instaladas no Brasil, com 12,5% de participação no total.

Segundo o relatório de pesquisa conjuntural do Sindipeças, as vendas para as montadoras cresceram 32,9% em junho sobre maio e 19,3% no acumulado ao ano. No caso do mercado de reposição, as altas foram de, respectivamente, 23,2% e 15,7%.

Fonte : AutoIndústria/Alzira Rodrigues