[ 12/11/2018 ]
Temer assina decreto que regulamenta o R...

[ 12/11/2018 ]
No Salão do Automóvel a mobilidade está ...

[ 12/11/2018 ]
Vendas de máquinas agrícolas no Brasil s...

[ 12/11/2018 ]
Setor automotivo sai enfraquecido da bat...

[ 12/11/2018 ]
Economia dá sinais de recuperação após a...

[ 12/11/2018 ]
Em momento "decisivo", UE pedirá concess...

[ 12/11/2018 ]
Receita do Grupo Randon cresce 45,3% no ...

[ 12/11/2018 ]
MME publica cronograma para elevar mistu...

[ 12/11/2018 ]
Volkswagen Gol GTi completa 30 anos...

[ 12/11/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus comemora 2...

[ 9/11/2018 ]
Montadoras rumo aos 3 milhões de veículo...

[ 9/11/2018 ]
Anfavea apoia proposta de criação do Min...

[ 9/11/2018 ]
Rota 2030 ganha aprovação "relâmpago"...

[ 9/11/2018 ]
Senado dá recados e cobra interlocução d...

[ 9/11/2018 ]
Recursos para compra de veículos superam...

[ 9/11/2018 ]
Governo estuda transição para fim da sub...

[ 9/11/2018 ]
Metalúrgicos do ABC: “Rota 2030 não é po...

[ 9/11/2018 ]
Montadoras anunciam descontos de até R$ ...

[ 9/11/2018 ]
Ford compra startup de patinete elétrico...

[ 9/11/2018 ]
Tesla nomeia substituta de Elon Musk na ...




 

Data: 15/8/2018

Iochpe-Maxion reforça estratégia de internacionalização
 
A Iochpe-Maxion, companhia brasileira de capital aberto, se tornou uma multinacional ao longo de sua trajetória de um século a ser completado em novembro. Uma das maiores produtoras de rodas automotivas do mundo, volume que chega a 60 milhões de unidades/ano, e representativo fabricante de longarinas, chassis e travessas das Américas, a empresa mantém estratégia de conquistar maior participação global.

Atualmente a empresa tem 31 fábricas ao redor do mundo, em 14 países, sendo quatro unidades no Brasil – Limeira, Cruzeiro e Santo André (SP), Contagem (MG). Recentes passos dão sequência à expansão da empresa, como aumento de capacidade em alumínio na Europa e na América do Norte, estamparia para atender a região do Nafta e a construção de um fábrica de rodas na Índia, com capacidade para 2 milhões de unidades/ano, que entrará em operação no segundo semestre do ano que vem.

No Brasil, como parte de ação global, a empresa inaugurou recentemente na fábrica de Limeira unidade para produção de rodas de alumínio. Começa com capacidade para 800 mil rodas/ano, mas pode chegar a 2 milhões.

“Até alguns anos atrás, a empresa coloca muito foco no Brasil”, conta Marcos de Oliveira, CEO e presidente da companhia. “Por meio principalmente de aquisições avançamos com a internacionalização e pretendemos continuar aumentando nossa participação global com produção e vendas de rodas e componentes estruturais.”

A receita perseguida pela Iochope-Maxion se revelou como fortificante para seu desempenho. Se em 2010 o faturamento líquido da companhia chegou a R$ 2,2 bi, dos quais 18% provenientes das vendas externas e o restante do Brasil, no ano passado, dos R$ 7,5 bilhões contabilizados, 75,5% veio de fora, e 24,5% originados no País.

A empresa basicamente atua como fornecedora para montadoras, negócio que representa globalmente 97% da receita da empresa. “A reposição no segmento e rodas de aço é muito baixo e capacidade de produção de rodas de alumínio no mundo é limitada”, justifica Oliveira. “Depois, são poucas, hoje, as fabricantes de veículos que produzem as próprias rodas.”

Balanço

No segundo trimestre de 2018, a Iochpe-Maxion consolidou receita líquida de R$ 2,3 milhões, um crescimento de 26,2% sobre o resultado apurado no mesmo período do ano passado. Somente as vendas internas alcançaram faturamento de R$ 579,3 milhões, em alta de 26,7% na mesma base de comparação. O lucro líquido na companhia de abril a junho chegou a R$ 44,1 milhões.

Do resultado, os negócios na região da América do Sul participaram com 24%. De acordo com a empresa, a alavanca no desempenho positivo veio do mercado doméstico, que avançou 26,2% em decorrência do crescimento da produção brasileira de veículos leves (12,1%) e veículos pesados (27,1%).

Por ser empresa de capital aberto, Oliveira é impedido de projetar o desempenho da empresa, mas dá como potencial de crescimento da produção as estimativas da Anfavea, na faixa de 12%, para pouco mais de 3 milhões de veículo. “Com o foco adequado na economia, a expansão certamente continua em 2019”.

Fonte : AutoIndústria/Décio Costa