[ 20/11/2018 ]
Brasileiro, presidente do grupo Renault-...

[ 20/11/2018 ]
Financiamento de veículos novos e usados...

[ 20/11/2018 ]
Mercado de ônibus usados recua 4,35% no ...

[ 20/11/2018 ]
Regime automotivo Rota 2030 ainda depend...

[ 20/11/2018 ]
Mercado financeiro reduz expectativa de ...

[ 20/11/2018 ]
Litro da gasolina supera os R$ 7 em post...

[ 20/11/2018 ]
Emissão de carteira de motorista no Bras...

[ 20/11/2018 ]
O Opala completa 50 anos ...

[ 20/11/2018 ]
Mercado automotivo da China caminha para...

[ 20/11/2018 ]
Luta da China contra poluição torna palá...

[ 19/11/2018 ]
Montadoras iniciam teste de serviço de c...

[ 19/11/2018 ]
Setor automotivo foi o que mais recebeu ...

[ 19/11/2018 ]
Governo de São Paulo autoriza montadoras...

[ 19/11/2018 ]
Mercosul e União Europeia não superam im...

[ 19/11/2018 ]
Com guerra comercial, exportação brasile...

[ 19/11/2018 ]
Imposto de importação aumenta custos de ...

[ 19/11/2018 ]
Vendas de máquinas agrícolas registram a...

[ 19/11/2018 ]
Renault comemora 20 anos de fabricação d...

[ 19/11/2018 ]
JAC lança T50 e anuncia importação de pi...

[ 19/11/2018 ]
Mercedes-Benz tem 56% do mercado de ônib...




 

Data: 14/9/2018

Carro elétrico é solução para redução de emissões
 
Em 2005, quando o protocolo de Kyoto (tratado internacional para redução de emissões) entrou em vigor, a frota global de veículos elétricos não passava de algumas centenas de unidades. Doze anos depois, em 2017, foram vendidos mais de três milhões de carros elétricos e neste ano serão quatro milhões até setembro.

A necessidade de reduzir as emissões de gases efeito estufa fez os países da Europa, Estados Unidos e Japão investirem pesado no setor, como expectativa de que até 2020 sejam comercializados mais de 20 milhões de carros elétricos no mundo. Os investimentos previstos apenas de nove empresas é de R$ 560 bilhões até 2022.

No Brasil o segmento ainda é incipiente. Foram vendidas no ano passado 3.296 unidades, o triplo do que foi vendido em 2016 (1.091), portanto nada comparado com países da Europa e Ásia.

De qualquer forma o carro elétrico não é uma necessidade imperiosa no Brasil como em outros mercados, onde a questão ambiental exige a redução drástica de emissões, afinal, o etanol já é o suficiente para a redução de emissões de gases.

Os veículos automotores são responsáveis por 24% das emissões de gases de efeito estufa, o que faz dos modelos elétricos um recurso obrigatório para o cumprimento do Acordo Climático de Paris, aprovado em 2015.

Entre 2016 e 2017, o número de países comprometidos com a eliminação do motor de combustão interna saltou de dois para 15. Até o final deste ano, Estados Unidos e União Europeia devem anunciar decisões políticas para reduzir as emissões do setor.

Fonte : O Mundo em Movimento/Joel Leite