[ 20/11/2018 ]
Brasileiro, presidente do grupo Renault-...

[ 20/11/2018 ]
Financiamento de veículos novos e usados...

[ 20/11/2018 ]
Mercado de ônibus usados recua 4,35% no ...

[ 20/11/2018 ]
Regime automotivo Rota 2030 ainda depend...

[ 20/11/2018 ]
Mercado financeiro reduz expectativa de ...

[ 20/11/2018 ]
Litro da gasolina supera os R$ 7 em post...

[ 20/11/2018 ]
Emissão de carteira de motorista no Bras...

[ 20/11/2018 ]
O Opala completa 50 anos ...

[ 20/11/2018 ]
Mercado automotivo da China caminha para...

[ 20/11/2018 ]
Luta da China contra poluição torna palá...

[ 19/11/2018 ]
Montadoras iniciam teste de serviço de c...

[ 19/11/2018 ]
Setor automotivo foi o que mais recebeu ...

[ 19/11/2018 ]
Governo de São Paulo autoriza montadoras...

[ 19/11/2018 ]
Mercosul e União Europeia não superam im...

[ 19/11/2018 ]
Com guerra comercial, exportação brasile...

[ 19/11/2018 ]
Imposto de importação aumenta custos de ...

[ 19/11/2018 ]
Vendas de máquinas agrícolas registram a...

[ 19/11/2018 ]
Renault comemora 20 anos de fabricação d...

[ 19/11/2018 ]
JAC lança T50 e anuncia importação de pi...

[ 19/11/2018 ]
Mercedes-Benz tem 56% do mercado de ônib...




 

Data: 14/9/2018

Kwid e Captur empurram Renault mercado acima
 
Se é quase certo que a General Motors fechará 2018 mais uma vez na ponta do mercado interno de automóveis e comerciais leves, que a Volkswagen ficará na segunda colocação e que a Fiat terminará no terceiro lugar, a definição da quarta e, em especial, da quinta posições promete uma ferrenha disputa até o último dia de dezembro.

No acumulado dos oito primeiros meses do ano, Ford, Hyundai, Renault e Toyota estão separadas por estreitíssima margem. Apenas 1,4 ponto porcentual de vantagem tem a atual quarta colocada, a Ford, com fatia de 9,4%, para a sétima marca mais vendida, a Toyota, que de janeiro a agosto deteve 8% das vendas.

A marca americana, com 148,2 mil veículos vendidos, tem um pouco mais de folga para a Hyundai, que contabiliza 135,7 mil emplacamentos, 8,6% do total. A diferença entre elas é, portanto, de 0,8% ponto porcentual ou cerca de 12,5 mil veículos.

Esses números não permitem dizer, contudo, que a fatura está encerrada em favor da Ford. Em agosto do ano passado a situação de ambas era exatamente a inversa e a montadora americana somou, no último quadrimestre, 0,4 ponto porcentual a mais do que a concorrente para terminar na quarta posição.

Mas já no limite de sua capacidade produtiva na fábrica de Piracicaba (SP) para três turnos de trabalho - e sem poder fabricar um carro a mais -, a maior preocupação da Hyundai é, na verdade, tentar assegurar o lugar em que está em vez de tentar dar o troco na Ford.

Isso porque imediatamente atrás dela está a Renault, que, ao lado da Volkswagen, é a marca, entre as líderes, que mais cresceu nos últimos doze meses: ganhou 2,1 pontos ao negociar 133,4 mil veículos no acumulado até agosto, equivalentes a fatia de 8,5%.

A separar as duas marcas ínfimos 2,3 mil emplacamentos. Como nos últimos três meses a Renault tem vendido mais do que a concorrente, não será surpresa se já ao fim de setembro assumir o posto da coreana.

A montadora francesa colhe os frutos, sobretudo, da boa aceitação do compacto Kwid e do utilitário esportivo Captur, produtos que chegaram às revendas no transcorrer do ano passado e têm desempenho acima da média ao longo de 2018.

O Kwid já é o sétimo automóvel - o primeiro da marca - mais vendido do País. De janeiro a agosto foram emplacadas 41,1 mil unidades. O Captur, que ganhou milionária campanha publicitária nos últimos meses, já acumula 15 mil emplacamentos no mesmo período.

Em 2017, ao longo de dez meses de mercado, o SUV somou 13,7 mil. A média mensal de vendas do modelo assim passou de 1.370 unidades para 1,9 mil, quase 40% a mais, enquanto segmento de SUVs evoluiu 27,5% neste ano.

No último quadrimestre caberá à Renault apenas cuidar para que Toyota, com 126,4 mil unidades emplacadas e participação de 8%, não a atropele com vendas turbinadas pela chegada do Yaris e Yaris Sedan. A dupla teve em apenas dois meses de mercado mais de 10 mil emplacamentos, um desempenho para lá de promissor no segmento.

Fonte : AutoIndústria/George Guimarães