[ 17/10/2018 ]
BNDES aprova R$ 6,7 milhões para estaçõe...

[ 17/10/2018 ]
Média diária na quinzena supera 10,5 mil...

[ 17/10/2018 ]
Bolsonaro quer destravar projetos de inf...

[ 17/10/2018 ]
Exportador teme ações de novo governo...

[ 17/10/2018 ]
Déficit das autopeças cresce 17% este an...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz comemora novas vendas de ô...

[ 17/10/2018 ]
Mercedes-Benz leva o balcão de peças par...

[ 17/10/2018 ]
Continental Pneus lança banda de rodagem...

[ 17/10/2018 ]
Randon Implementos lança em Chapecó nova...

[ 17/10/2018 ]
Fábrica da Volkswagen em São Carlos cele...

[ 16/10/2018 ]
Venda de carros desacelera em 2019...

[ 16/10/2018 ]
Vendas diretas já respondem por quase a ...

[ 16/10/2018 ]
Incerteza política derruba Brasil em ran...

[ 16/10/2018 ]
Acionistas não desistirão do Brasil, diz...

[ 16/10/2018 ]
Justiça suspende instalação de placas pa...

[ 16/10/2018 ]
Anistia de multas pode ser votada hoje n...

[ 16/10/2018 ]
Hatches pequenos e SUVS dominam o mercad...

[ 16/10/2018 ]
Venda de automóveis na China sofre a mai...

[ 16/10/2018 ]
Ford Europa inicia produção da van elétr...

[ 16/10/2018 ]
Scania na Fetranslog: vivenciando os ben...




 

Data: 21/9/2018

Jetta ganha traços mais esportivos na linha 2019
 
A Volkswagen lançou ontem, o Jetta 2019. Importado do México, o modelo tem nova geração que permitirá aos consumidores brasileiros de sedãs encontrar dentro da própria linha da marca alemã um degrau entre o nacional Virtus e o também importado - e muito mais caro - alemão Passat.

O modelo, fabricado sobre a mesma plataforma do Golf, a MQB, é oferecido apenas com motor 1.4 TSI flex de 150 cavalos, fabricado em São Carlos (SP) e acoplado à transmissão automática de seis velocidades. Vendido em duas versões de acabamento - Comfortline 250 TSI e R-Line 250 TSI, que custam, respectivamente, R$ 110 mil e R$ 120 mil -, terá como opcional apenas o teto solar e chega às concessionárias da marca em outubro.

A engenharia da Volkswagen tratou de tirar do Jetta o ar conservador das gerações anteriores. Na verdade, se não chega a ser uma ruptura com o passado, como aconteceu com a atual geração do seu concorrente direto Honda Civic, suas linhas sugerem agora bem mais esportividade do que, por exemplo, seu irmão menor fabricado em São Bernardo do Campo, o Virtus.

É enfatizando esse perfil mais jovial e o elevado nível de recursos de série, sejam de conforto ou segurança, que a Volkswagen pretende ver crescer as vendas do modelo, que teve apenas 2,8 mil unidades emplacadas de janeiro a agosto, participação de 3% e a sexta colocação entre sedãs médios, segundo aponta a Fenabrave.

O histórico líder do segmento é o Toyota Corolla, que superou 38 mil emplacamentos nos oito primeiros meses de 2018 e abocanhou fatia de 40%, muito à frente do segundo colocado Honda Civic, com 17,5 mil unidades negociadas e 18,6% das vendas. A diferença é gritante: o Corolla vende em um mês o que o Jetta somou em oito.

No ano passado o quadro não foi muito diferente. O modelo da Volkswagen fechou na quarta colocação, com 7,7 mil emplacamentos e 5% do segmento, que encerrou 2017 com 153,6 mil veículos negociados. O Corolla fechou 2017 com 66,2 mil unidades e o Civic com 25,8 mil.

Na terceira posição ficou o Chevrolet Cruze, com mais de 19 mil emplacamentos, quase três vezes mais do que o representante da VW. Tamanha diferença indica que não será fácil para o Jetta avançar no ranking e contribuir com alguma fração de ponto porcentual para o crescimento de participação da marca, que publicamente assumiu que pretende tomar o primeiro lugar da GM no mercado interno.

De qualquer forma, Pablo Di Si, presidente da Volkswagen na América do Sul, projeta vendas anuais, mantido o atual ritmo do mercado brasileiro, da ordem de 15 mil até 20 mil unidades. “Mas, claro, pode ser mais caso o mercado cresça acima do esperado”, pondera o executivo, que comemora crescimento acumulado nos oito primeiros meses de 35% contra a média de 14% do mercado.

Os sedãs médios responderam por 8,5% de todos os automóveis e comerciais leves negociados no mercado interno. No acumulado deste ano – também fruto da ascensão dos utilitários esportivos, tipo de produto sobre o qual a VW depositará seus maiores esforços nos próximos anos – têm somente 7% das vendas: 93,3 mil emplacamentos.

Fonte : AutoIndústria/George Guimarães