[ 16/1/2019 ]
Produção de picapes marca início da parc...

[ 16/1/2019 ]
Setor de caminhões em bom momento...

[ 16/1/2019 ]
Setor automotivo segue otimista, mas pre...

[ 16/1/2019 ]
Com DNA alemão, concessionária Ssangyong...

[ 16/1/2019 ]
Os 60 anos do Fusca brasileiro...

[ 16/1/2019 ]
Fornecedora de montadoras implanta plata...

[ 16/1/2019 ]
Carros Autônomos: marca americana mostra...

[ 16/1/2019 ]
VW produzirá modelos elétricos nos EUA...

[ 16/1/2019 ]
Salão de Detroit abre com incertezas sob...

[ 16/1/2019 ]
SUV, caminhões e carros esportivos prota...

[ 15/1/2019 ]
Autopeças faturam 18,9% a mais até novem...

[ 15/1/2019 ]
Com reação da indústria, mercado de ônib...

[ 15/1/2019 ]
CNH anuncia nova estrutura organizaciona...

[ 15/1/2019 ]
País já fez consultas à UE sobre limites...

[ 15/1/2019 ]
Pela quarta vez, Onix é mais vendido...

[ 15/1/2019 ]
Granero renova a frota com 10 VW Constel...

[ 15/1/2019 ]
Grupo Daimler Trucks global vende mais d...

[ 15/1/2019 ]
Tecnologia busca controle total da mobil...

[ 15/1/2019 ]
Ônibus urbanos elétricos eCitaro da Merc...

[ 15/1/2019 ]
SUV, caminhões e carros esportivos prota...




 

Data: 9/11/2018

Metalúrgicos do ABC: “Rota 2030 não é política industrial”.
 
O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC divulgou nota afirmando que o Rota 2030, aprovado e regulamentado nesta quinta-feira, 8, está aquém das necessidades da indústria automotiva brasileira. Na avaliação da entidade, trata-se de um programa com foco em pesquisa e desenvolvimento, o que é bom e necessário, mas não pode ser considerado uma política industrial.

“Ao não contemplar políticas tarifárias que incentivem produção nacional, que estavam presentes no Inovar-Auto, o Rota 2030 ficou incompleto, pois não zela pelo emprego. Ele não estabelece proteção efetiva nem mesmo em relação ao volume de componentes importados nos veículos produzidos no Brasil. A MP aprovada também não atende os pleitos de fortalecimento da cadeia produtiva e, por ter validade de 15 anos, deveria ser muito mais estruturante”, destaca a nota.

O sindicato diz que, durante todo o processo de discussão do programa, se empenhou em garantir dispositivos que o tornassem mais abrangente. “Por meio de emenda parlamentar, apresentada pelo deputado Carlos Zarattini (PT-SP), conseguimos avançar em relação ao texto original, incluindo a capacitação técnica e a qualificação profissional, inserindo o trabalhador como parte dos processos, tendo em vista os incentivos previstos à eletrificação e à indústria 4.0”.

O Sindicato diz ainda que considera positiva a criação do observatório nacional da indústria, que deverá acompanhar de perto a aplicação de recursos, investimentos em pesquisa e desenvolvimento. “Estaremos atentos e mobilizados para garantir a participação efetiva dos trabalhadores nesse processo”, conclui a nota.

Fonte : AutoIndústria