[ 8/3/2019 ]
Governo cobra da Ford solução para fábri...

[ 8/3/2019 ]
Foton inaugura nova revenda em São Paulo...

[ 8/3/2019 ]
Venda de importados cai 3% em fevereiro...

[ 8/3/2019 ]
Em São Bernardo, trabalhadores da Ford f...

[ 8/3/2019 ]
Caminhões e ônibus lideram venda de veíc...

[ 8/3/2019 ]
Roberto Cortes tem audiência com o gover...

[ 8/3/2019 ]
Volvo vai limitar carros a 180 km/h a pa...

[ 8/3/2019 ]
Chevrolet Cruze deixa de ser fabricado n...

[ 8/3/2019 ]
Toyota anuncia aposentadoria de Steve St...

[ 8/3/2019 ]
BYD Europa fornecerá 30 ônibus elétricos...

[ 7/3/2019 ]
Trabalhadores da Ford convocam protesto ...

[ 7/3/2019 ]
Vendas de caminhões avança 66% em fevere...

[ 7/3/2019 ]
Mercado de veículos usados segue em alta...

[ 7/3/2019 ]
Mercado reduz expectativa de crescimento...

[ 7/3/2019 ]
Conceito de Indústria 4.0 chega à linha ...

[ 7/3/2019 ]
Programa de inclusão social de Resende g...

[ 7/3/2019 ]
Volvo FH540 assume liderança das vendas ...

[ 7/3/2019 ]
Etios despenca nas vendas com chegada do...

[ 7/3/2019 ]
Bugatti lança o carro mais caro da histó...

[ 7/3/2019 ]
Quem é Carlos Ghosn, executivo brasileir...




 

Data: 9/11/2018

Metalúrgicos do ABC: “Rota 2030 não é política industrial”.
 
O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC divulgou nota afirmando que o Rota 2030, aprovado e regulamentado nesta quinta-feira, 8, está aquém das necessidades da indústria automotiva brasileira. Na avaliação da entidade, trata-se de um programa com foco em pesquisa e desenvolvimento, o que é bom e necessário, mas não pode ser considerado uma política industrial.

“Ao não contemplar políticas tarifárias que incentivem produção nacional, que estavam presentes no Inovar-Auto, o Rota 2030 ficou incompleto, pois não zela pelo emprego. Ele não estabelece proteção efetiva nem mesmo em relação ao volume de componentes importados nos veículos produzidos no Brasil. A MP aprovada também não atende os pleitos de fortalecimento da cadeia produtiva e, por ter validade de 15 anos, deveria ser muito mais estruturante”, destaca a nota.

O sindicato diz que, durante todo o processo de discussão do programa, se empenhou em garantir dispositivos que o tornassem mais abrangente. “Por meio de emenda parlamentar, apresentada pelo deputado Carlos Zarattini (PT-SP), conseguimos avançar em relação ao texto original, incluindo a capacitação técnica e a qualificação profissional, inserindo o trabalhador como parte dos processos, tendo em vista os incentivos previstos à eletrificação e à indústria 4.0”.

O Sindicato diz ainda que considera positiva a criação do observatório nacional da indústria, que deverá acompanhar de perto a aplicação de recursos, investimentos em pesquisa e desenvolvimento. “Estaremos atentos e mobilizados para garantir a participação efetiva dos trabalhadores nesse processo”, conclui a nota.

Fonte : AutoIndústria