[ 20/2/2019 ]
Ford fecha fábrica de São Bernardo do Ca...

[ 20/2/2019 ]
Volkswagen lança T-Cross e anuncia retor...

[ 20/2/2019 ]
Balança comercial tem superávit de US$ 2...

[ 20/2/2019 ]
Governo de São Paulo lança plano para ap...

[ 20/2/2019 ]
Participação do consórcio nas vendas de ...

[ 20/2/2019 ]
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC manife...

[ 20/2/2019 ]
Ford Fiesta sai de linha este ano; fábri...

[ 20/2/2019 ]
Renault registra SUV cupê Arkana no Bras...

[ 20/2/2019 ]
BMW Group Brasil planeja ofensiva de pro...

[ 20/2/2019 ]
Novo T-Cross é mais caro que os rivais...

[ 19/2/2019 ]
Iveco ampliará rede de atendimento no Pa...

[ 19/2/2019 ]
Paccar apurou resultados recordes em 201...

[ 19/2/2019 ]
Economia perde ritmo e deve ter desempen...

[ 19/2/2019 ]
Investimentos em transportes avançam nos...

[ 19/2/2019 ]
Sem impostos, Cruze é mais barato aqui d...

[ 19/2/2019 ]
Fiat Mobi recebe pacote de personalizaçã...

[ 19/2/2019 ]
Daimler Trucks atinge recorde com veícul...

[ 19/2/2019 ]
Vendas de veículos na China recuam pelo ...

[ 19/2/2019 ]
Produtores de biodiesel defendem qualida...

[ 18/2/2019 ]
VWCO domina vendas de caminhões médios...




 

Data: 5/12/2018

Vendas de ônibus sobem 27,45% entre janeiro e novembro
 
Os emplacamentos de ônibus entre janeiro e novembro deste ano tiveram elevação de 27,45%, com 17.201 unidades na comparação com mesmo período de 2017, quando foram emplacados 13.496 ônibus.

Os números são da Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, que reúne representantes de 51 associações de marcas de automóveis, e foram divulgados nesta segunda-feira, 03 de dezembro de 2018.

De acordo com profissionais de revendas e montadoras, uma conjunção de fatores pode explicar os resultados positivos, mas o principal deles é a recuperação gradual da economia brasileira e do nível de confiança.

Há, entretanto situações mais específicas, como a obrigatoriedade de os ônibus rodoviários saírem de fábrica com as plataformas elevatórias, o que pode deixar os veículos de 15% a 30% mais caros. Para escapar dos preços maiores, empresários de ônibus anteciparam algumas compras planejadas.

As eleições e as perspectivas em relação ao desenrolar de algumas licitações aqueceram, por sua vez, os segmentos de micro-ônibus e ônibus urbanos.

Entre outubro e novembro, a queda nos emplacamentos foi de 10,13%, em parte explicada pelo desaquecimento esperado para o segundo semestre e pela quantidade de feriados prolongados em novembro.

Entre as marcas, segundo a Fenabrave, no acumulado do ano, a Mercedes-Benz lidera com 59,2% de participação no mercado nacional de ônibus seguida de Volkswagen Caminhões & Ônibus (17,03%) e de Marcopolo (miniônibus Volare), com 9,9%.

Fonte : Diário do Transporte/Adamo Bazani