[ 20/2/2019 ]
Ford fecha fábrica de São Bernardo do Ca...

[ 20/2/2019 ]
Volkswagen lança T-Cross e anuncia retor...

[ 20/2/2019 ]
Balança comercial tem superávit de US$ 2...

[ 20/2/2019 ]
Governo de São Paulo lança plano para ap...

[ 20/2/2019 ]
Participação do consórcio nas vendas de ...

[ 20/2/2019 ]
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC manife...

[ 20/2/2019 ]
Ford Fiesta sai de linha este ano; fábri...

[ 20/2/2019 ]
Renault registra SUV cupê Arkana no Bras...

[ 20/2/2019 ]
BMW Group Brasil planeja ofensiva de pro...

[ 20/2/2019 ]
Novo T-Cross é mais caro que os rivais...

[ 19/2/2019 ]
Iveco ampliará rede de atendimento no Pa...

[ 19/2/2019 ]
Paccar apurou resultados recordes em 201...

[ 19/2/2019 ]
Economia perde ritmo e deve ter desempen...

[ 19/2/2019 ]
Investimentos em transportes avançam nos...

[ 19/2/2019 ]
Sem impostos, Cruze é mais barato aqui d...

[ 19/2/2019 ]
Fiat Mobi recebe pacote de personalizaçã...

[ 19/2/2019 ]
Daimler Trucks atinge recorde com veícul...

[ 19/2/2019 ]
Vendas de veículos na China recuam pelo ...

[ 19/2/2019 ]
Produtores de biodiesel defendem qualida...

[ 18/2/2019 ]
VWCO domina vendas de caminhões médios...




 

Data: 5/12/2018

Mercedes-Benz vai abrir 600 vagas no ABC e ampliar produção de caminhões
 
A Mercedes-Benz anunciou na manhã de ontem, terça-feira, 4, a contratação de 600 funcionários para a fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Com isso, a empresa volta a operar em dois turnos na linha de produção de caminhões, expediente que estava suspenso desde 2014.

No setor de componentes - motores, câmbio e eixos -, será retomado o terceiro turno de trabalho que estava suspenso há cinco anos. Os primeiros 400 contratados começam a trabalhar em janeiro e outras 200 vagas serão abertas em abril.

Mercedes-Benz

"Depois de momentos difíceis estamos otimistas com a melhora do mercado e aumento da produção", disse o presidente da Mercedes-Benz do Brasil e América Latina, Philipp Schiemer. As vendas de caminhões da marca cresceram quase 30% neste ano em relação a 2017 e devem crescer "mais dois dígitos" no próximo ano, prevê o executivo.

Inicialmente as novas vagas são por tempo determinado de um ano, com possibilidade de prorrogação por mais um ano. "Estamos otimistas mas precisamos ser cautelosos para não termos de demitir como ocorreu no passado", justifica Schiemer.

De 2012 para cá foram cortados 4 mil postos de trabalho na fábrica que hoje emprega 8 mil trabalhadores.

Para as 400 vagas primeiras vagas, a Mercedes-Benz recebeu 12 mil currículos. "Até caiu o site da empresa", informa Luiz Carlos Moraes, diretor de comunicação corporativa.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Cleide Silva