[ 14/12/2018 ]
Venda de veículos pode crescer até 12% e...

[ 14/12/2018 ]
Toyota produzirá veículo híbrido flex em...

[ 14/12/2018 ]
Mecanização tem novo avanço na agricultu...

[ 14/12/2018 ]
Secretário do Tesouro critica postura de...

[ 14/12/2018 ]
OMC condena cinco de sete programas de i...

[ 14/12/2018 ]
Fux revoga sua própria decisão e multas ...

[ 14/12/2018 ]
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% ...

[ 14/12/2018 ]
Indústria automotiva do Sul Fluminense c...

[ 14/12/2018 ]
Ford Ranger Storm: versão com visual de ...

[ 14/12/2018 ]
Petroleira apoiou plano de Trump de carr...

[ 13/12/2018 ]
Montadoras pedem benefícios fiscais para...

[ 13/12/2018 ]
Siemens cria área com foco no setor auto...

[ 13/12/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus amplia pro...

[ 13/12/2018 ]
Sindipeças fecha contratos coletivos de ...

[ 13/12/2018 ]
Projeto da Mercedes-Benz de educação no ...

[ 13/12/2018 ]
Família poderá entrar em imóvel de Ghosn...

[ 13/12/2018 ]
Renault pede que Nissan não contate seus...

[ 13/12/2018 ]
Transportes são responsáveis por 25% das...

[ 13/12/2018 ]
Grupo VIP adquire 50 ônibus Mercedes-Ben...

[ 12/12/2018 ]
Temer sanciona Rota 2030 com veto a bene...




 

Data: 6/12/2018

Roberto Cortes: convicção do fim da crise
 
O presidente e CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus, Roberto Cortes, frequentemente costuma se definir como um otimista. Exatamente há um ano, o dirigente apostava em um crescimento das vendas da empresa em torno de 10% no mercado interno e de 20% no externo. Na ocasião, chegou a dizer que “pessimismo e desânimo são coisas do passado. Certamente estamos iniciando um novo ciclo”.

Cortes estava certo e errado. O desempenho do mercado de pesados e da VWCO realmente se apresentou positivo, mas chega ao fim do ano muito além daquelas projeções. Na quarta-feira, 5 de dezembro, ao fazer balanço do ano, Cortes foi incisivo: “estou convicto de que 2018 encerra um dos períodos de crise mais severas para indústria caminhões e ônibus. Nos últimos anos os sinais da recuperação estavam no ar, mas não tão fortes quanto agora”.

Cortes conta que o aumento de 49% no mercado de caminhões até outubro foi muito superior às suas expectativas. “Realmente não esperava”, sentenciou. Com viagem já marcada para Alemanha para os próximos dias, leva para o comando do Grupo Traton, a corporação de veículos comerciais criada independente do Grupo Volkswagen, além de sua convicção do fim crise, resultados bem superiores que esperava.

Isso porque, de acordo com Cortes, enquanto as vendas de caminhões apuram crescimento de 49%, os negócios da VWCO no segmento evoluem 51%. Em ônibus, o avanço dos licenciamentos de produtos da marca também chega aos 51% maiores, ante um mercado que cresce 29%. “Muito do resultado positivo se deve a nova família de caminhões Delivery e, em ônibus, mais uma vez somos os maiores fornecedores do Caminho da Escola, temos 3,4 mil unidades entregar e, mais recentemente, outras trezentas unidades seguem para o Ministério do Desenvolvimento Social.

Anúncio

Para 2019, Cortes prefere não revelar projeções em função da atual preparação do Grupo Traton para abertura de capital. “Mas posso dizer que teremos a continuidade do crescimento. Todos sinais são positivos.”

Para atender à demanda prevista, Cortes lembra que a partir do ano que vem Resende inicia um segundo turno parcial e acelera a produção com a chegada de 350 pessoas. “O novo pessoal se encontra em treinamento e volta das férias de fim de ano para colocar ritmo mais acelerado na fábrica”.

Fonte : AutoIndústria/Décio Costa