[ 14/12/2018 ]
Venda de veículos pode crescer até 12% e...

[ 14/12/2018 ]
Toyota produzirá veículo híbrido flex em...

[ 14/12/2018 ]
Mecanização tem novo avanço na agricultu...

[ 14/12/2018 ]
Secretário do Tesouro critica postura de...

[ 14/12/2018 ]
OMC condena cinco de sete programas de i...

[ 14/12/2018 ]
Fux revoga sua própria decisão e multas ...

[ 14/12/2018 ]
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% ...

[ 14/12/2018 ]
Indústria automotiva do Sul Fluminense c...

[ 14/12/2018 ]
Ford Ranger Storm: versão com visual de ...

[ 14/12/2018 ]
Petroleira apoiou plano de Trump de carr...

[ 13/12/2018 ]
Montadoras pedem benefícios fiscais para...

[ 13/12/2018 ]
Siemens cria área com foco no setor auto...

[ 13/12/2018 ]
Volkswagen Caminhões e Ônibus amplia pro...

[ 13/12/2018 ]
Sindipeças fecha contratos coletivos de ...

[ 13/12/2018 ]
Projeto da Mercedes-Benz de educação no ...

[ 13/12/2018 ]
Família poderá entrar em imóvel de Ghosn...

[ 13/12/2018 ]
Renault pede que Nissan não contate seus...

[ 13/12/2018 ]
Transportes são responsáveis por 25% das...

[ 13/12/2018 ]
Grupo VIP adquire 50 ônibus Mercedes-Ben...

[ 12/12/2018 ]
Temer sanciona Rota 2030 com veto a bene...




 

Data: 6/12/2018

PIB do agronegócio deverá crescer 2%, diz CNA
 
A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) estima para 2019 um crescimento de 2% no PIB do agronegócio, após o recuo previsto de 1,6% neste ano, de acordo com balanço feito na quarta-feira (5), em Brasília (DF). Segundo a entidade, o tabelamento do frete e a greve dos caminhoneiros jogaram para baixo os negócios do setor em 2018.

Por um lado, a paralisação encareceu o preço de insumos agropecuários e afetou a comercialização da produção, feita com preços mais baixos – e também prejudicou os serviços e o abastecimento em todo o País. Para encerrar a mobilização, o governo fez um acordo com a categoria para reduzir o preço do combustível, além de estabelecer uma tabela de preços mínimos para o frete.

“Foi uma influência clara do governo, interferindo em questões privadas. Isso não prejudica apenas o produtor rural, mas toda a sociedade está pagando”, disse o superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, explicando que a paralisação também levou à alta da inflação e dos preços dos alimentos.

Para a entidade, os subsídios para o óleo diesel e o tabelamento do frete precisam acabar, e o novo governo pode buscar soluções para dar competitividade aos transportadores sem interferir nessas questões. “Uma reforma tributária, por exemplo, poderia amenizar o impacto dos impostos sobre os combustíveis melhor que o tabelamento”, disse.

Fonte : Frota e Cia/Agência Brasil