[ 20/2/2019 ]
Ford fecha fábrica de São Bernardo do Ca...

[ 20/2/2019 ]
Volkswagen lança T-Cross e anuncia retor...

[ 20/2/2019 ]
Balança comercial tem superávit de US$ 2...

[ 20/2/2019 ]
Governo de São Paulo lança plano para ap...

[ 20/2/2019 ]
Participação do consórcio nas vendas de ...

[ 20/2/2019 ]
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC manife...

[ 20/2/2019 ]
Ford Fiesta sai de linha este ano; fábri...

[ 20/2/2019 ]
Renault registra SUV cupê Arkana no Bras...

[ 20/2/2019 ]
BMW Group Brasil planeja ofensiva de pro...

[ 20/2/2019 ]
Novo T-Cross é mais caro que os rivais...

[ 19/2/2019 ]
Iveco ampliará rede de atendimento no Pa...

[ 19/2/2019 ]
Paccar apurou resultados recordes em 201...

[ 19/2/2019 ]
Economia perde ritmo e deve ter desempen...

[ 19/2/2019 ]
Investimentos em transportes avançam nos...

[ 19/2/2019 ]
Sem impostos, Cruze é mais barato aqui d...

[ 19/2/2019 ]
Fiat Mobi recebe pacote de personalizaçã...

[ 19/2/2019 ]
Daimler Trucks atinge recorde com veícul...

[ 19/2/2019 ]
Vendas de veículos na China recuam pelo ...

[ 19/2/2019 ]
Produtores de biodiesel defendem qualida...

[ 18/2/2019 ]
VWCO domina vendas de caminhões médios...




 

Data: 6/12/2018

PIB do agronegócio deverá crescer 2%, diz CNA
 
A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) estima para 2019 um crescimento de 2% no PIB do agronegócio, após o recuo previsto de 1,6% neste ano, de acordo com balanço feito na quarta-feira (5), em Brasília (DF). Segundo a entidade, o tabelamento do frete e a greve dos caminhoneiros jogaram para baixo os negócios do setor em 2018.

Por um lado, a paralisação encareceu o preço de insumos agropecuários e afetou a comercialização da produção, feita com preços mais baixos – e também prejudicou os serviços e o abastecimento em todo o País. Para encerrar a mobilização, o governo fez um acordo com a categoria para reduzir o preço do combustível, além de estabelecer uma tabela de preços mínimos para o frete.

“Foi uma influência clara do governo, interferindo em questões privadas. Isso não prejudica apenas o produtor rural, mas toda a sociedade está pagando”, disse o superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, explicando que a paralisação também levou à alta da inflação e dos preços dos alimentos.

Para a entidade, os subsídios para o óleo diesel e o tabelamento do frete precisam acabar, e o novo governo pode buscar soluções para dar competitividade aos transportadores sem interferir nessas questões. “Uma reforma tributária, por exemplo, poderia amenizar o impacto dos impostos sobre os combustíveis melhor que o tabelamento”, disse.

Fonte : Frota e Cia/Agência Brasil