[ 8/3/2019 ]
Governo cobra da Ford solução para fábri...

[ 8/3/2019 ]
Foton inaugura nova revenda em São Paulo...

[ 8/3/2019 ]
Venda de importados cai 3% em fevereiro...

[ 8/3/2019 ]
Em São Bernardo, trabalhadores da Ford f...

[ 8/3/2019 ]
Caminhões e ônibus lideram venda de veíc...

[ 8/3/2019 ]
Roberto Cortes tem audiência com o gover...

[ 8/3/2019 ]
Volvo vai limitar carros a 180 km/h a pa...

[ 8/3/2019 ]
Chevrolet Cruze deixa de ser fabricado n...

[ 8/3/2019 ]
Toyota anuncia aposentadoria de Steve St...

[ 8/3/2019 ]
BYD Europa fornecerá 30 ônibus elétricos...

[ 7/3/2019 ]
Trabalhadores da Ford convocam protesto ...

[ 7/3/2019 ]
Vendas de caminhões avança 66% em fevere...

[ 7/3/2019 ]
Mercado de veículos usados segue em alta...

[ 7/3/2019 ]
Mercado reduz expectativa de crescimento...

[ 7/3/2019 ]
Conceito de Indústria 4.0 chega à linha ...

[ 7/3/2019 ]
Programa de inclusão social de Resende g...

[ 7/3/2019 ]
Volvo FH540 assume liderança das vendas ...

[ 7/3/2019 ]
Etios despenca nas vendas com chegada do...

[ 7/3/2019 ]
Bugatti lança o carro mais caro da histó...

[ 7/3/2019 ]
Quem é Carlos Ghosn, executivo brasileir...




 

Data: 11/1/2019

Ford vai cortar milhares de empregos na Europa em plano de recuperação
 
A Ford afirmou que vai cortar milhares de empregos, deixar mercados não lucrativos e descontinuar linhas de veículos deficitários, como parte de um plano de recuperação focado em obter uma margem de lucro operacional na Europa de 6%.

A Ford afirmou que vai sair do segmento de multivans, parar de fabricar transmissões automáticas em Bordeaux em agosto, rever suas operações na Rússia e combinar a sede da Ford no Reino Unido com a sede da Ford Credit.

"Estamos tomando ações decisivas para transformar os negócios da Ford na Europa", disse Steven Armstrong, vice-presidente para Europa, Oriente Médio e África.

A Ford Europa, que atualmente emprega 53 mil funcionários, tem enfrentado dificuldades para atingir lucro, registrando prejuízo de 245 milhões de euros antes de juros e impostos no terceiro trimestre, o equivalente a uma margem Ebit negativa de 3,3%.

Armstrong não deu detalhes sobre o número de cortes de empregos, que ainda dependem de negociações com líderes sindicais, mas afirmou que as demissões serão na casa dos "milhares".

"A Ford tem como objetivo obter o máximo de redução de custos trabalhistas que for possível por meio de demissões voluntárias na Europa", informou a montadora.

Fonte : Reuters/Edward Taylor