[ 18/1/2019 ]
Kroschu integra Consórcio Modular da Vol...

[ 18/1/2019 ]
Sprinter é o comercial leve mais vendido...

[ 18/1/2019 ]
Marcas de luxo têm desempenho abaixo da ...

[ 18/1/2019 ]
Setor de aço prevê crescimento com maior...

[ 18/1/2019 ]
Atividade de transporte mostra desaceler...

[ 18/1/2019 ]
Financiamentos de pesados cresceram 26% ...

[ 18/1/2019 ]
PSA tem recorde mundial de vendas...

[ 18/1/2019 ]
UFSC de Joinville pode criar instituto f...

[ 18/1/2019 ]
Com setor automotivo otimista, é hora de...

[ 18/1/2019 ]
Carlos Ghosn ficará preso ao menos até m...

[ 17/1/2019 ]
Jeep mantém liderança no mercado de SUVs...

[ 17/1/2019 ]
Chassi de ônibus OF 1721 da Mercedes-Ben...

[ 17/1/2019 ]
"Países da UE se preparam para um possív...

[ 17/1/2019 ]
Bridgestone reforça presença no Sul...

[ 17/1/2019 ]
Duas décadas de estrada...

[ 17/1/2019 ]
Cummins intensifica ações na área social...

[ 17/1/2019 ]
Daimler Trucks investe em caminhões autô...

[ 17/1/2019 ]
Ford anuncia veículos com tecnologia C-V...

[ 17/1/2019 ]
Mudança no BMW Group Serviços Financeiro...

[ 17/1/2019 ]
HERE Technologies lança índice sobre mob...




 

Data: 11/1/2019

Ford vai cortar milhares de empregos na Europa em plano de recuperação
 
A Ford afirmou que vai cortar milhares de empregos, deixar mercados não lucrativos e descontinuar linhas de veículos deficitários, como parte de um plano de recuperação focado em obter uma margem de lucro operacional na Europa de 6%.

A Ford afirmou que vai sair do segmento de multivans, parar de fabricar transmissões automáticas em Bordeaux em agosto, rever suas operações na Rússia e combinar a sede da Ford no Reino Unido com a sede da Ford Credit.

"Estamos tomando ações decisivas para transformar os negócios da Ford na Europa", disse Steven Armstrong, vice-presidente para Europa, Oriente Médio e África.

A Ford Europa, que atualmente emprega 53 mil funcionários, tem enfrentado dificuldades para atingir lucro, registrando prejuízo de 245 milhões de euros antes de juros e impostos no terceiro trimestre, o equivalente a uma margem Ebit negativa de 3,3%.

Armstrong não deu detalhes sobre o número de cortes de empregos, que ainda dependem de negociações com líderes sindicais, mas afirmou que as demissões serão na casa dos "milhares".

"A Ford tem como objetivo obter o máximo de redução de custos trabalhistas que for possível por meio de demissões voluntárias na Europa", informou a montadora.

Fonte : Reuters/Edward Taylor