[ 18/1/2019 ]
Kroschu integra Consórcio Modular da Vol...

[ 18/1/2019 ]
Sprinter é o comercial leve mais vendido...

[ 18/1/2019 ]
Marcas de luxo têm desempenho abaixo da ...

[ 18/1/2019 ]
Setor de aço prevê crescimento com maior...

[ 18/1/2019 ]
Atividade de transporte mostra desaceler...

[ 18/1/2019 ]
Financiamentos de pesados cresceram 26% ...

[ 18/1/2019 ]
PSA tem recorde mundial de vendas...

[ 18/1/2019 ]
UFSC de Joinville pode criar instituto f...

[ 18/1/2019 ]
Com setor automotivo otimista, é hora de...

[ 18/1/2019 ]
Carlos Ghosn ficará preso ao menos até m...

[ 17/1/2019 ]
Jeep mantém liderança no mercado de SUVs...

[ 17/1/2019 ]
Chassi de ônibus OF 1721 da Mercedes-Ben...

[ 17/1/2019 ]
"Países da UE se preparam para um possív...

[ 17/1/2019 ]
Bridgestone reforça presença no Sul...

[ 17/1/2019 ]
Duas décadas de estrada...

[ 17/1/2019 ]
Cummins intensifica ações na área social...

[ 17/1/2019 ]
Daimler Trucks investe em caminhões autô...

[ 17/1/2019 ]
Ford anuncia veículos com tecnologia C-V...

[ 17/1/2019 ]
Mudança no BMW Group Serviços Financeiro...

[ 17/1/2019 ]
HERE Technologies lança índice sobre mob...




 

Data: 11/1/2019

Participação dos importados fica aquém do esperado
 
Apesar de a venda de veículos importados ter crescido acima da média do mercado em 2018, a participação dos veículos vindos de fora no mercado brasileiro ficou bem aquém do projetado pela Anfavea no início do ano. Ante estimativa de que alcançariam fatia de 15%, eles responderam por apenas 12,1% das vendas totais de veículos no País.

A valorização do dólar ao longo do ano foi sem dúvida um dos fatores que dificultaram a expansão do mercado de importados nos índices esperados tanto pelas montadoras como pelos importadores. A Abeifa, por exemplo, previa vendas totais de seus associados na casa dos 40 mil, mas elas acabaram ficando em 37,6 mil, 6% abaixo do projetado.

Outro fator, no entanto, tem dificultado os negócios dos importadores, como admite o presidente da Abeifa, José Luiz Gandini. Em função das exigências do Inovar-Auto, que vigorou até 31 de dezembro de 2017, os carros nacionais evoluíram tecnologicamente, ampliando a sua competitividade com os importados.

“O Kia Picanto, por exemplo, foi o primeiro automóvel comercializado aqui com câmera de ré”, lembra Gandini, também presidente da Kia Motors do Brasil. “Hoje é uma tecnologia já disseminada, assim como outras que já tinham há cinco ou seis anos.

O empresário também cita o SUV Sportage, o modelo de maior demanda da Kia no País, que teve 5.648 emplacamentos em 2018, 55,2% a mais do que no ano anterior. “Com a chegada de SUVs nacionais, como o Jeep Compass, a versão de entrada do Sportage teve demanda reduzida. As versões top é que são as mais procuradas”.

A saída para os importadores, dessa forma, é atuar principalmente em nichos de mercado, aqueles não cobertos integralmente pelos produtos nacionais. Das marcas representadas pela Abeifa, as que mais cresceram foram a Volvo Cars (alta de 95,6%, com total de 6.832 emplacamentos), a Jaguar (expansão de 44,8% e 1.812 licenciamentos) e a Kia (respectivamente, 39% e 11.719 unidades comercializadas).

Também a Byd, que atua principalmente no segmento de veículos elétricos pesados, teve desempenho acima da média, com evolução de 53,3% – de 30 unidades em 2017 para 46 no ano passado.

Considerando os veículos importados pelas montadoras e por empresas sem fábrica no Brasil, foram comercializados no ano passado total de 310,5 mil veículos importados – alta de 27,2% sobre as 244 mil unidades do ano anterior.

Como o mercado em geral cresceu 14,6%, para um total de 2,56 milhões de unidades, a participação do segmento cresceu de 10,9% para 12,1%, índice não só abaixo do projetado pela Anfavea mas também inferior aos registrados em 2015 e 2016, que foram de, respectivamente, 16,1% e 13,3%.

Fonte : AutoIndústria/Alzira Rodrigues