[ 8/3/2019 ]
Governo cobra da Ford solução para fábri...

[ 8/3/2019 ]
Foton inaugura nova revenda em São Paulo...

[ 8/3/2019 ]
Venda de importados cai 3% em fevereiro...

[ 8/3/2019 ]
Em São Bernardo, trabalhadores da Ford f...

[ 8/3/2019 ]
Caminhões e ônibus lideram venda de veíc...

[ 8/3/2019 ]
Roberto Cortes tem audiência com o gover...

[ 8/3/2019 ]
Volvo vai limitar carros a 180 km/h a pa...

[ 8/3/2019 ]
Chevrolet Cruze deixa de ser fabricado n...

[ 8/3/2019 ]
Toyota anuncia aposentadoria de Steve St...

[ 8/3/2019 ]
BYD Europa fornecerá 30 ônibus elétricos...

[ 7/3/2019 ]
Trabalhadores da Ford convocam protesto ...

[ 7/3/2019 ]
Vendas de caminhões avança 66% em fevere...

[ 7/3/2019 ]
Mercado de veículos usados segue em alta...

[ 7/3/2019 ]
Mercado reduz expectativa de crescimento...

[ 7/3/2019 ]
Conceito de Indústria 4.0 chega à linha ...

[ 7/3/2019 ]
Programa de inclusão social de Resende g...

[ 7/3/2019 ]
Volvo FH540 assume liderança das vendas ...

[ 7/3/2019 ]
Etios despenca nas vendas com chegada do...

[ 7/3/2019 ]
Bugatti lança o carro mais caro da histó...

[ 7/3/2019 ]
Quem é Carlos Ghosn, executivo brasileir...




 

Data: 16/1/2019

Produção de picapes marca início da parceria entre Ford e Volkswagen
 
A próxima geração da picape Volkswagen Amarok será feita na mesma base da nova Ford Ranger. A picape média será produzida na Argentina e chegará ao mercado brasileiro em 2022. Esse é o principal destaque, para a América Latina, da parceria global entre as duas montadoras, que teve os primeiros detalhes revelados ontem, terça-feira, 15, em Detroit, nos EUA.

A aliança, anunciada em junho, não envolve troca de ações, diferentemente do que ocorreu na joint venture que criou a Autolatina apenas na América do Sul, entre 1987 e 1994. A marca alemã detinha 51% das ações da empresa, e a Ford, 49%.

A atual aliança prevê cooperação no desenvolvimento de novos veículos, tecnologias e serviços de mobilidade. O foco é gerar escala e eficiências para as empresas a partir de 2023.

“Essa aliança não vai só trazer eficiências importantes e ajudar ambas as empresas a melhorar seu desempenho, mas nos dará a oportunidade de ajudar a formar a próxima era da mobilidade”, disse o presidente mundial da Ford, Jim Hacket. O presidente mundial da Volkswagen, Herbert Diess, acrescentou que as duas marcas “vão combinar seus recursos, capacidade de inovação e posições de mercado complementares ao redor do mundo; ao mesmo tempo, a aliança servirá como pilar para nossa meta de aumento da competitividade.”

Os dois executivos confirmaram o desenvolvimento de picapes médias e vans comerciais para os mercados globais. Depois da Amarok, a nova Ranger, também produzida na Argentina, deverá ser o segundo produto a chegar ao Brasil. Além disso, as montadoras assinaram carta de intenção para colaboração no desenvolvimento de carros autônomos e elétricos.

A aliança também será uma oportunidade para a Volkswagen se reestruturar nos EUA depois do escândalo do “dieselgate”, que afetou principalmente consumidores americanos. Já a Ford precisa cortar custos e voltar a crescer na Europa, América Latina e China.

Nenhuma das duas empresas divulgou mais detalhes sobre a aliança. Os próximos passos dependem de novos acertos e estudos mais profundos. Juntos, os dois grupos empregam mais de 800 mil funcionários e faturam mais de US$ 400 bilhões por ano no mundo todo.

Automóveis

O presidente da Ford América do Sul, Lyle Watters, afirmou que não há nada decidido sobre o desenvolvimento conjunto de veículos de passeio. Mas há indícios de que a Ford utilizará o expertise da Volkswagen em segmentos nos quais não é tão competitiva.

É o caso, por exemplo, de carros elétricos, como os que a marca alemã vai produzir nos EUA. Durante o salão do automóvel que ocorre em Detroit, a marca alemã anunciou investimento de US$ 800 milhões na fábrica do Tennessee para produzir os elétricos ID Crozz e ID Buzz.

Além da Amarok e da Ranger, as linhas de vans das duas empresas terão novidades em breve. A Ford produz a Transit e a Volkswagen a Transporter e a Caddy na Europa. No momento não há planos de trazer esses veículos ao mercado brasileiro.

Fonte : O Estado de S. Paulo/Tião Oliveira